RSS

‘Catálise’ confronta arte e ciência na busca de realidades possíveis (SP)

11 fev

11-02-2014 – Fátima de Carvalho

Peça de João Dias Turchi, do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, estará em cartaz de 8 a 23 de fevereiro na Sala Carlos Miranda

5d9c53d4fe3f79c5a36617b85efe276668caae99                                 ‘Catálise’, até 23 de fevereiro na Sala Carlos Miranda.
Foto: Murillo Basso

Com texto de João Dias Turchie direção de Murillo Basso, o espetáculo Catálise estreia dia 8– segundo sábado de fevereiro – na Sala Carlos Miranda do Complexo Cultural Funarte São Paulo.

A peça surgiu da vontade, compartilhada pelo autor com integrantes da Escola de Arte Dramática (EAD) e do Departamento de Artes Cênicas (CAC) da Universidade de São Paulo, de desenvolver uma pesquisa artística com foco na racionalidade dos estudos do cérebro.

Para além dos possíveis contatos entre teatro e ciência, o grupo investiga até onde as artes cênicas e a pesquisa estética podem propor rupturas a um padrão de comportamento que cresce a galope nos dias de hoje: o da “medicalização” da vida e dos sentimentos. Cada vez mais, a depressão, a dor e o sofrimento são considerados meros desequilíbrios químicos do sistema nervoso.

Os artistas lembram, entretanto, que os mais recentes estudos neurocientíficos acenam para outra perspectiva: o cérebro humano não é uma estrutura “fechada, engessada e determinante”, mas sim “aberta, plástica” e capaz de se relacionar com os acontecimentos.

Na trama, uma família participa voluntariamente de uma pesquisa científica que testará reações do sistema nervoso a estímulos externos, para compreender como as sensações são biologicamente criadas. Como se estivesse por trás do vidro espelhado de uma sala de pesquisa, o público torna-se cúmplice e, ao mesmo tempo, parte deste experimento.

Em Catálise, “ciência e memória são igualmente ficções”. Tanto os atores como o público se transportam, durante o espetáculo, “a novos ritmos e novas possibilidades de existência”. Fatos que os personagens são obrigados a reviver como memórias põem em xeque ficção e realidade, “possibilitando a fabulação e novamente a subversão de descobertas científicas”.

Sobre o autor: João Dias Turchi nasceu em Goiânia (GO) e mudou-se para São Paulo em 2007 para cursar direito na Universidade de São Paulo. Desde a faculdade, sua identificação era maior com arte e cultura do que com ciências jurídicas. Em 2010, morou em Londres, onde cursou Law, Culture and Communication na King’s College. Atualmente, trabalha com direito do entretenimento e produção cultural, como coordenador de projetos do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). Paralelamente, realizou um curso de roteiro no SENAC, sendo também selecionado para integrar a 4ª turma do Núcleo de Dramaturgia SESI-British Council. Sua primeira peça,Máquina de escrever reticências, foi a selecionada para encenação, entrando em temporada no Centro Cultural Ruth Cardoso por três meses. Foi, ainda, convidado a desenvolver uma performance para ser encenada no Festival Satyrianas 2012, chamada Um pulmão e meio.

Sobre o diretor – Murillo Basso é bacharel em Direção Teatral pela Universidade de São Paulo. Em 2011 dirigiu, orientado por Cibele Forjaz, Woizeck, Exercício Cênico, no Departamento de Artes Cênicas da USP. A partir daí, foi assistente de direção de Máquina de escrever reticências(2012),e diretor de Um pulmão e meio (2012), ambas de João Dias Turchi (SESI- SP). Dirigiu, também, OFF_elia (2012), espetáculo de dança-teatro livremente inspirado em Hamlet, de Shakespeare. Sua experiência como ator teve início em 2010, e abrange os espetáculosEleutheria (2013), de Samuel Beckett, com direção de Isabel Teixeira; Cuidado: Garoto Apaixonado (2013), de Toni Brandão, dirigido por Flávia Garrafa, Vorazcidade (2013), com direção de Mônica Montenegro e Silvana Garcia; O jardim das cerejeiras (2012), de Anton Tchekhov; eHamlet. Peça Coração (2011), com direção de Elisabete Dorgam, entre outros.

Espetáculo: Catálise
De 8 a 23 de fevereiro | Sábados, 21h; domingos, 20h

Texto: João Dias Turchi | Direção: Murillo Basso | Elenco: Caroline Duarte, Carla Zanini, Eduardo Cesar, Renan Ferreira e Victor Mendes | Direção de arte: Artur Abe | Iluminação:Rafael Souza Lopes | Orientação: Antônio Araújo 
Recomendação etária: 14 anos | Duração: 60min
Ingressos: R$20 (meia: R$10) A bilheteria abre uma hora antes do início do espetáculo – um ingresso por pessoa. Pagamentos apenas em cheque ou dinheiro.

Fonte: Funarte
Facebook: Teatro Caetanno’s Agenda Cultural
Twitter: Teatro Caetanno’s
Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 11/02/2014 em Brasil

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: