RSS

Kay Lyra, Marcos Sacramento e o grupo Zarapatéu fazem os próximos shows do ‘Música no Capanema’

18 fev

18-02-2014 – Fátima de Carvalho

 

Espetáculos gratuitos, de 19 a 21 de fevereiro, são às 18h30, na Sala Funarte Sidney Miller, no Centro do Rio. Distribuição de ingressos começa às 18h, na bilheteria

c7824c3aa339648085206f933429dff9b497ba8b

 

A cantora Kay Lyra se apresenta na quarta, 19 de fevereiro, às 18h30, trazendo ao palco da Sala Funarte, no Centro do Rio, as canções de seus dois discos –Influência do Jazz e Kandagawa. Há três anos atuando em Nova York (EUA), a filha de Carlos Lyra conta com a participação especial, no violão, vocais e arranjos, de Mauricio Maestro. Na quinta, dia 20, o grupo Zarapatéu promete esquentar a plateia com a mistura de ritmos como o xote, maracatu, baião, coco, afoxé, samba, blues e rock, em composições próprias e releituras de clássicos da música brasileira. O cantor Marcos Sacramento encerra a semana, na sexta, 21 de fevereiro, com o show que inclui músicas de sua autoria e de nomes consagrados da MPB.

Os espetáculos, que integram o projeto ‘Música no Capanema’, lançado pela Funarte em dezembro, são realizados sempre de quarta a sexta, às 18h30. A entrada é gratuita, com distribuição de ingressos na bilheteria, a partir das 18h. Os shows oferecem ao público o melhor da música brasileira, em diferentes estilos. Na próxima semana, estão programadas apresentações de Hamilton de Holanda (dia 26) e da Bateria da Vila Isabel (dia 27).

Kay Lyra vai mostrar na quarta, dia 19, por que aprendeu desde cedo a caminhar entre as melodias e harmonias da bossa nova. Além do repertório do pai, Carlos Lyra, Kay percorre com desembaraço os espaços abertos por Tom Jobim, Vinicius de Moraes, João Gilberto e tantos outros. Em suas próprias composições, Kay transita também por outros caminhos, buscando novos horizontes musicais. No show na Sala Funarte, a cantora reúne canções dos seus dois discos e parte do trabalho desenvolvido fora do Brasil, com a participação especial de Mauricio Maestro (do grupo vocal Boca Livre), responsável também pelos arranjos dos seus dois CDs. O primeiro CD da cantora, Influência do Jazz, lançado no Japão, traz a releitura de músicas de Carlos Lyra, como a que dá título ao álbum, entre outras canções. O segundo, lançado apenas no Brasil, tem curiosamente um nome japonês – Kandagawa, título de uma das canções do CD. Há três anos atuando nos palcos de Nova York, Kay vem reafirmando fora do Brasil a qualidade de suas interpretações.

Com uma mistura de elementos da cultura regional brasileira e fortes pitadas da música urbana contemporânea, a banda Zarapatéu faz o show de quinta-feira, dia 20.  Xote, maracatu, baião, coco, afoxé, samba, blues e rock são alguns dos ritmos do acervo sonoro do grupo, que traz em seu repertório composições próprias e releituras de clássicos da música brasileira. Visgo da jaca(Rildo Hora e Sérgio Cabral); Dois de fevereiro Mais que um (Lucas Videla); Sarapatel (Lucas Videla e Pedro Moragas); Bilhete pra Didi (Novos Baianos); Eu também quero beijar (Moraes Moreira, Pepeu Gomes e Fausto Nilo); A Bela e a Fera (Chico Buarque e Edu Lobo); Pecado Original (Tom Zé); Norte da saudade (Gilberto Gil); Os mais doces bárbaros (Caetano Veloso), além de outras, estão no roteiro da banda. Com pouco mais de um ano de existência, a Zarapatéu já mostrou a consistência de seu trabalho em diversos palcos da cidade do Rio de Janeiro. Seus integrantes, que têm entre 18 e 19 anos, já se apresentaram ao lado de artistas como Carlos Malta, Emanuelle Araújo, e as bandas Moinho, Dona Joana e Uzoto. A Zarapatéu é formada por Artur Pedrosa (bateria), Bernardo de Carvalho (clarinete), Bruna Araújo (voz), Chico Eller (percussão e voz), Daniel Batalha (guitarra e voz), Lucas Videla  (pandeiro, guitarra e voz), Marina Chuva  (percussão e voz) e Pedro Moragas (baixo).

Na sexta, 21 de fevereiro, a atração é Marcos Sacramento. Intérprete capaz de alinhar em um mesmo roteiro composições de Noel Rosa ou Cartola com contemporâneos como os cariocas Luis Capucho e Luiz Acofra e o paulistano Paulo Padilha, Sacramento é incansável na busca por novidades para seu repertório. No show para o ‘Música no Capanema’, o músico inclui, entre outras, composições próprias como Labirinto, Três horas da noite, Sereia na avenida, Qualquer um, Sacada e Sem sal; Arraial do Mundo e Carnaval (parceria com Zé Paulo Becker); Dois Rios(com Tiago Torres da Silva); Baião da Penha (Guio de Moraes e David Nasser); Formosa Deixa(Baden Powell e Vinicius de Moraes) e Cai dentro (Baden Powell e Paulo Cesar Pinheiro).  Marcos Sacramento estreou como cantor de uma banda de pop/rock, em meados dos anos 80. Em 1986, participou de um disco do Selo Funarte cantando Custódio Mesquita e, no ano seguinte, dividiu palco com a veterana Marlene na temporada desse lançamento durante duas semanas. Em 1989, Sacramento viveu o ídolo Orlando Silva, na novela Kananga do Japão, da Rede Manchete. Seu primeiro trabalho solo, A Modernidade da Tradição, também editado na Europa, Estados Unidos e Japão pelo selo francês Buda Musique, teve como parceiros o violonista Maurício Carrilho e o percussionista Marcos Suzano. O álbum, considerado o melhor disco brasileiro em 1997 pela prestigiada revista francesa Le Monde de la Musique, foi relançado no Brasil em 2008 pela Biscoito Fino.

De lá para cá, Sacramento participou de outra homenagem a Custódio Mesquita e, depois, a Baden Powell e Sinhô – em shows e disco com a cantora Clara Sandroni. Em 1998, lançou o álbumCaracane com composições próprias em parceria com Paulo Biano, além de outros autores. Depois se seguiram Fossa Nova (2005), ao lado do pianista Carlos Fuchs; Memorável Samba(2003) – leitura especial para sambas compostos entre 1932 e 1955, com apresentações no Brasil e Europa durante três anos; e o CD Sacramentos (2006), incursão por autores clássicos como Noel Rosa, Ataulfo Alves, Cartola e Baden Powell. Em 2008, participou do projeto Interseções, cantando valsas brasileiras na Sala Cecília Meireles e, em 2009, lançou Na Cabeça, para o qual convidou Rogério Caetano, Zé Paulo Becker e Luiz Flávio Alcofra.

Projeto ‘Música no Capanema’

19/02 – Kay Lyra & Mauricio Maestro

20/02 – Zarapatéu

21/02 – Marcos Sacramento

ENTRADA FRANCA

Sala Funarte Sidney Miller
Rua da Imprensa, nº 16, térreo
Palácio Gustavo Capanema
Centro – Rio de Janeiro (RJ)

Horário: sempre às 18h30
Bilheteria: (21) 2279-8087

Realização: Fundação Nacional de Artes – Funarte
Centro da Música
(21) 2279 8601

 

Fonte: overmundo
Facebook: Teatro Caetanno’s Agenda Cultural
Twitter: Teatro Caetanno’s
Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 18/02/2014 em Brasil

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: